Peneira com imigrantes a bordo!

Padrão

Três paraguaios desembarcaram na peneira do Santa Cruz neste fim de semana:

  • O lateral-direito Arnaldo Saucedo (Cafu),
  • o volante Juan Jose Martinez
  •  o atacante Elias Meza.

Como assim?  Já começaram a treinar com a equipe de base e vão passar por uma avaliação no Campeonato Brasileiro Sub-23. Caso rendam podem ser integrados ao elenco profissional. Todos são oriundos da base do Cerro Porteño, do Paraguai, e os dois primeiros defenderam a seleção sub-20 paraguaia.

A diretoria de futebol disse que eles podem até subir para o grupo principal. Garantiu também que o Santa não gastou com a negociação. “Os atletas chegam através de uma parceria, sem custos para o clube. Vamos acompanhar o rendimento dos atletas nos treinamentos e a gente espera que eles rendam aqui. Caso sejam interessantes, podem inclusive ser integrados ao elenco profissional”, disse Fred Dias, um dos diretores.

Sub-23

Quatro clubes dos 16 participantes representaram o Nordeste no Campeonato Brasileiro de Aspirantes 2018 (Sub-23). Os pernambucanos Santa Cruz e Sport e os baianos Vitória e Bahia vão disputar pela primeira vez a competição, criada pela CBF no ano passado. O campeonato tem previsão para começar no mês de maio, mas a tabela ainda não foi divulgada oficialmente pela entidade.

É interessante refletir sobre a oportunidade que estes profissionais terão sem que tenha havido negociação no meio de campo. O que você acha disso?

Anúncios

Gestão Esportiva

Padrão

O esporte precisa estar atento às transformações da sociedade, que acontecem cada vez mais rápido.

O rádio levou 38 anos para atingir 50 milhões de pessoas; a TV, 13; a internet, 4; o Google, 100 dias. Hoje, 1 bilhão de pessoas interagem diariamente pelo Facebook. Em 2010, 1,8 bilhões de pessoas estavam conectadas à internet; hoje, 3 bilhões. Até 2025, o mundo inteiro estará.

Entre os nascidos antes da geração do Milênio, 45% das pessoas preferem esportes e 13% e-Sports, na geração do Milênio há empate, 27% preferem esportes e 27% e-Sports. O que acontece a partir da geração Z?

Em 2016, o Campeonato de League of Legends levou 20 mil pessoas ao Staples Center e teve audiência de 43 milhões de pessoas online. Em 2011, a premiação do Campeonato de DOTA era de USD 1,6 milhões. Em 2016, USD 20,8 milhões, maior que da Copa Libertadores.

Em 2017, o movimento olímpico reconheceu o poker como esporte. O Brasil já tem cerca de 8 milhões de jogadores e 500 clubes registrados. O Circuito Brasileiro de Poker (BSOP), um dos maiores campeonatos de poker do mundo, distribui mais de R$ 50 milhões por ano em prêmios, o mesmo que a CBF na Copa do Brasil.

O VII Seminário Gestão Esportiva FGV/FIFA/CIES reunirá expoentes dessa nova era para debater sobre os seus principais desafios e oportunidades.

LOCAL
VII Seminário Gestão Esportiva FGV/FIFA/CIES
Local: Centro Cultural FGV
Endereço: Praia de Botafogo, 186 – Botafogo, Rio de Janeiro/RJ
Data: 17 Março 2018
Horário: 08h30
Consulte o site https://portal.fgv.br/eventos/vii-seminario-gestao-esportiva-fgvfifacies

Ah! se peneiras fossem informadas com antecedência!

Padrão

Finalmente uma peneira informada na mídia com uma “certa” antecedência. Hoje é 16/03/2018 e ela foi informada ontem. Menos mal. Em geral é no dia anterior…

VOTUPORANGA é a cidade da peneira onde o Clube Atlético Votuporanguense avaliará sábado, 24 de março, jovens nascidos em 2001, 2002, 2003 e 2004.

Arena Plínio Marin

Coordenação Técnico Murilo Lopes

Sem custo de inscrição. início 7h30.

Objetivo: captar atletas para Campeonato Paulista Sub-15 e Sub-17 de 2018 (a competição começa em 7 de abril 2018).

Informações: http://www.cavotuporanguense.com.br

Altos e baixos em testes e peneiras.

Padrão

Neste mês, duas notícias entram em lados opostos. A primeira informa que sem tempo para testes, Corinthians e Palmeiras deixam de lado a base. Pode?

Já o Projeto “Guerreirinhos do Cantusca” realiza peneira amanhã – a notícia saiu 2 dias antes! Alguém pode se programar? Difícil. A peneira é para nascidos de 2004 a 2012.

A sede do “Cantusca” fica na Avenida Visconde do Rio Branco, 701, Centro, Niterói.

guerreirinhos

 

COPINHA E CLUBE FORMADOR

Padrão

Copinha em janeiro – tem melhor coisa para começar o ano? A copinha é símbolo de clube que investe nas categorias de base. Entre elas, estão os clubes que oferecem estrutura diferenciada de formação e que têm o Certificado de Clube Formador da CBF. Vários deles estão nesta Copinha de 2018.

O certificado se tornou um símbolo do investimento dos clubes na formação de atletas. Foi criado, na verdade, para proteger esse investimento. Quem possui o selo tem a garantia de que um atleta entre 14 e 16 anos só sai mediante indenização. Além disso, o clube tem direito de receber porcentagens em futuras negociações de seus ex-jogadores.

Existem dois tipos de certificado. No A, válido por dois anos, os clubes oferecem técnicos e preparadores físicos, participação em competições oficiais, programas de treinamento detalhados, além de assistência médica e educacional aos atletas. No segundo tipo de certificado, o B, válido por um ano, os clubes atendem apenas uma parte das exigências.

O Santos, reconhecido pelo apoio às categorias de base, oferece alojamento, alimentação, assistente social, professora e até psicólogo. Os clubes menores oferecem uma ajuda de custo para os jogadores durante a Copinha ou até alimentação e hotel. Outros clubes, como a Portuguesa, tiveram  já muito prestígio na área. Hoje, desconhecemos como está este tema no clube que passa por várias dificuldades.

Condições da Portuguesa

Reproduzimos a seguir uma reportagem de 2014 sobre o tema, para que nos informem. Continuam as condições indicadas nesta reportagem?

Saiba como é feito o trabalho da Portuguesa nas categorias de base

Marcelo Guirelli, supervisor de base da Lusa, explica processo de formação do clube

Perfil de atletas

“Os jogadores já são federados a partir do sub-11 aqui e vamos até o sub-20.

O primeiro passo é mudar o conceito de querer atletas grandes, acima de 1,80m. O perfil aqui é que existe jogador bom e jogador ruim. Queremos atleta bom de bola. Essa questão de zagueiro grande, goleiro grande, já passou aqui para nós.

O futebol brasileiro deu uma caída na parte técnica. Procuramos justamente esse perfil. Jogador que dribla dois, três adversários e faz o gol, chamamos até de ‘mosca branca’, porque não existe mais. No mínimo o garoto precisa ter parte técnica boa. Um bom passe, ser inteligente dentro do campo, não correr errado. A parte física já faz parte do futebol também, não tem jeito.

Nas categorias menores, até o sub-14, temos um projeto dentro do clube que se chama ‘Talentos da Lusa’. São garotos que fazem avaliações e os melhores vão ficando no processo. É um trabalho de três a quatro anos com os meninos para eles chegarem no infantil e juvenil com a parte técnica mais apurada.

Com os maiores é pontual. Se precisa de lateral esquerdo, ou um meia, a gente procura no mercado, em outros clubes, com olheiros e às vezes os empresários também trazem atletas para serem avaliados no clube.

Dentro do nosso projeto, temos o certificado de clube formador. É um processo completo, com psicólogo. Se tiver três laterais esquerdos, que todos são do mesmo nível, não tem como jogar os três. Indicamos para clubes parceiros.

O trabalho de base da Portuguesa sempre foi forte. Temos bons profissionais em todas categorias. Um dos clubes que ainda revela bastante jogadores para o elenco principal é a Portuguesa.

Ainda somos um celeiro de atletas. O problema é que no geral está faltando um pouco mais de qualidade no jogador. Não sei se o problema é o conceito nosso que ficou para trás. Teria que ser analisado entre todos clubes para entender o que está acontecendo.”

Carência de craques

“O maior problema é que o futebol virou dois horizontes totalmente diferentes. Ou joga bola o cara que tem dinheiro ou o garoto que é muito pobre, que vem lá de Manaus, fica alojado e lá nem teria condições de comer.

Criou um abismo muito grande entre os dois lados. Às vezes o garoto não tem tanta qualidade, mas o pai pode bancar, sem o garoto precisar trabalhar. O mais pobre não tem estudo, não tem nada, complica se não trabalhar. Na classe média, o pai também precisa da ajuda do filho. Estamos perdendo muitos garotos por isso.

O garoto recebe R$ 600 e fica desesperado para receber rápido porque o pai não pode dar dinheiro para ele. Se arruma uma namoradinha, precisa de dinheiro para sair com ela. Ele prefere largar o futebol para trabalhar porque ele não sabe se vai dar certo, porque realmente é difícil.

O dinheiro acaba fazendo a cabeça dos garotos. Está muito precoce. Fulano está com 16 anos e já é taxado de craque. Não é assim. O jogador chega na flor da idade com 20, 21 anos. A culpa é dos próprios dirigentes. Precisa dar uma ralada primeiro para depois valorizar o que conquistou.

O que está errado é o modo como se avalia os atletas. O jogador vai fazer um teste, dá três chutes no gol e já falam que é um craque. Temos que ser mais coerentes. Às vezes o atleta é aprovado depois de um treino. Precisa passar um período de adaptação e ter calma. A avaliação dos jogadores precisa ser revista. Também não adianta ter uma baita estrutura se não tiver boa captação de atletas. Lá dentro do campo são 11 que jogam contra 11.

Resultados não importam. É uma consequência. Mas se você faz um time campeão, naturalmente os jogadores irão vingar.”

Dispensa

“Alguns garotos na Portuguesa têm cinco anos de clube. Futebol é como um funil. Tem dez volantes, mas só um vai ficar. A comissão técnica nunca dispensa ninguém porque o atleta é patrimônio do clube. Pode não servir para o treinador, mas serve para o clube ainda. Tudo é feito em conjunto com diretores, coordenadores.

A gente senta com o menino, chama a família, conversa, explica que não está indo bem e que estamos pensando em dispensar ou indicar para outro time. Às vezes não serve aqui, mas cabe em outro lugar.”

Estrutura

“Os garotos da Portuguesa, do sub-15 para cima, recebem uma ajuda de custo. A Portuguesa foi o oitavo clube no Brasil a ganhar o selo de clube formador da CBF. Dá direito a escola para os alojados, quatro alimentações por dia, dentista, psicólogo.

Tem cinco campos de treinamento no CT do Parque Ecológico, fora os dois campos do profissional que o sub-20 acaba usando também. A estrutura é boa. Temos um sintético fora do CT também, que é uma ferramenta útil hoje em dia.

O alojamento cabe 39 atletas, mas nunca trabalhamos com a carga máxima. São por volta de 32 jogadores. Todos de fora de São Paulo.

O infantil treina a tarde porque os meninos estudam de manhã. O pessoal do juvenil normalmente estuda no turno da noite. Quem não estuda, não fica no clube. A cobrança é diária. Tem uma pessoa responsável no alojamento que faz uma chamada igual da escola. Tem a van que leva os garotos e vai buscar.

Quando o garoto começa a faltar, a gente chama os pais e conversa. Se não der certo, não joga. É frequência e nota, porque se não formar atleta, formo um cidadão. Infelizmente, de mil, um vira jogador, mas prefiro que os outros 999 estudem e sejam alguém na vida.”

Técnicos

“Procuramos seguir o mesmo perfil que trabalha o treinador do profissional. No caso, o Silas. Sistema de jogo, tudo. Que quando o garoto for subindo, fica mais fácil de se adaptar. Todo treinador, massagista e preparador físico são formados.

O legal é que aqui damos chance do pessoal ir subindo. O treinador do sub-20 já trabalhou no sub-11. Eles têm bastante tempo de casa. Vamos dando chance para o pessoal aqui de dentro. A garotada gosta muito dos profissionais que trabalham aqui.”

Interação com profissional

“O pessoal do profissional vai sempre acompanhar os jogos do sub-20, que é o mais próximo. O Silas dá bastante abertura. As comissões estão sempre interagindo. Inclusive os jogadores profissionais com os atletas da base nas brincadeiras, nas conversas, em jogos-treino. Isso é bom porque quando precisar de alguém lá em cima, o garoto vai estar mais preparado.”

Campeonatos

“O sub-11 e sub-13 disputam apenas o Paulista. Do sub-14 para cima a gente procura disputar todos campeonatos possíveis da categoria. Jogador tem que jogar. É onde vai pegar bagagem. Quanto mais fizer, melhor você faz. Como tudo na vida.”

Viagens

“Ultimamente não, mas ano retrasado levamos o sub-14 para a Coreia. De vez em quando sai algumas viagens para fora. É muito caro fazer trabalho de base. Cada jogo é gasto quase R$ 5 mil com arbitragem, ambulância e toda parafernália. Sai caro.”

Empresários

“Com a experiência que a gente adquiriu no futebol, já conhecemos o cara que quer entrar aqui visando o benefício próprio. De graça ninguém vem. Mas temos que ter o feeling para entender quando o cara quer ajudar, ou não.

O empresário é necessário hoje em dia no futebol. O futebol é um mundo pequeno, se fez algo errado aqui, todos vão saber e nunca mais ninguém atende. Não existe essa coisa de que joga por causa do empresário. Ninguém vai querer um atleta ruim no elenco. Na hora que a bola rola, não tem como mentir. Todos vão ver. Pode ter acontecido, mas hoje não cabe mais.”

REFERENCIA: https://www.foxsports.com.br/news/167188-saiba-como-e-feito-o-trabalho-da-portuguesa-nas-categorias-de-base

Por que treinar fundamento?

Padrão

“Porque treinar fundamento? É tão chato, prefiro jogar bola!” Frases comuns de muitos jovens que não entendem o motivo desta “chatice”e o quanto pode agregar para ele.

Conhecer bem os Fundamentos do futebol é a base de um atleta. Ele pode ter o físico que for, pode saber chutar ao gol com muita força, mas se ele não tem os atributos básicos dos fundamentos bem trabalhados, as chances de ter sucesso caem bastante, ainda mais falando em um universo tão competitivo e que a cada segundo, a cada jogada exige todas essas habilidades de forma natural.

Quanto mais domínio o atleta tiver sobre fundamentos, melhor será para ele, pois o reflexo disso em campo é visível, e toda jogada que ele pretende fazer, ele acaba fazendo com maior destreza e confiança pois sabe que vai dominar aquele lançamento lá do outro lado do campo. Ou que pode chutar com a perna que ele considera pior porque pelo menos vai no gol, pode tocar uma bola de primeira no ar que vai na direção correta. Tudo isso ele pode ficar tranquilo porque tem o domínio necessário graças aos treinos diários.

Não existe motivo para acreditar que já sabe tudo (domínio, passe, lançamento…) e achar que não precisa treinar. Atletas profissionais treinam diariamente sempre aperfeiçoando. Estrelas dos times europeus treinam diariamente.

Isto é algo que vai ser levado pela carreira toda enquanto atleta, portanto comece a gostar desse tipo de treinamento ou será uma dor de cabeça toda vez que o preparador pedir para ser feito.

DAlguns tipos de trabalhos de fundamentos são: Recepção, Domínio, Controle de bola, Condução de bola; Passe de curta e longa distância, passe direcionado, forma de dar o passe, finalização, lançamento, visão de jogo, drible, finta, marcação, sair da marcação, passe e domínio sobre marcação e algumas técnicas específicas de goleiro.

Treinar todos esses aspectos e procurar se aperfeiçoar neles o máximo possível já é um caminho de sucesso a ser trilhado. Dê um tempo aí e se autoavalie. Já saberá por onde deve começar a treinar hoje mesmo.

FUNDAMENTO
SUA AUTO-AVALIAÇÃO (1 A 10)
FUNDAMENTO
SUA AUTO-AVALIAÇÃO (1 A 10)
RECEPÇÃO   PASSE DIRECIONADO  
CONTROLE DE BOLA   FORMA DE DAR O PASSE  
DOMÍNIO   FINALIZAÇÃO  
CONDUÇÃO DE BOLA   LANÇAMENTO  
PASSE DE CURTA E LONGA DISTÂNCIA   PASSE E DOMÍNIO SOBRE MARCAÇÃO  
VISÃO DE JOGO   DRIBLE  
FINTA   MARCAÇÃO E SAIR DA MARCAÇÃO  

Aqui não estão as técnicas específicas de goleiro.

Importante para quem vai participar de peneira.

Padrão

A mente: sua MELHOR amiga ou sua pior INIMIGA.
O que diferencia vencedores de pessoas comuns é a forma como se lida com problemas e frustações. Saber lidar com coisas boas é fácil, mas ter um preparo psicológico, uma programação mental para lidar com os desafios e os “nãos’’ que a vida te dá e vai continuar dando, isso sim é um diferencial”.

Todos os craques que você vê na TV já tiveram adversidades e problemas que provavelmente qualquer jovem que pretende iniciar essa carreira passou ou vai passar, mas a programação mental deles de nunca desistir, ser disciplinado, persistente, perseverante e positivo fez com que chegassem aonde chegaram.

Um exemplo: O Kaká na categoria de base sempre foi reserva e nunca desistiu do sonho de subir pro profissional. Tudo indicava que o jogador do qual ele era o reserva seria o principal jogador a se destacar e crescer profissionalmente, com isso ele podia muito bem ter desistido, mas sua fé e perseverança, sua disciplina nos treinos e muito trabalho fez com que quando surgiu a oportunidade REPENTINA (preste atenção nisso, oportunidade REPENTINA), ele estivesse preparado fisicamente e psicologicamente para essa chance. Fez uma bela partida, se destacou , se tornou o atleta que foi e atingiu o topo sendo o melhor do mundo em 2007.

Já pensou se ele ficasse desanimado ou não trabalhesse todo dia para quando a chance viesse? Talvez não teria chegado onde chegou, talvez seria apenas um jogador tradicional que, ao encerrar a carreira, não será lembrado.

Sua mente é uma ferramenta poderosa! Pode mover todo um universo a seu favor, portanto trabalhe nela DIARIAMENTE para que seja criado um padrão mental de sucesso. Pense que você já é um atleta de sucesso.

Encare peneiras com confiança, trate os testes como um jogo no qual você tem certeza que vai jogar tudo que sabe, igual quando você joga com os amigos e está feliz.